sexta-feira, 26 de junho de 2009

A Verdade Sobre a Síndrome do Pânico


Temos uma realidade alarmante onde vemos a cada dia crescer o número de pessoas que dão passagem ao transtorno do pânico e complicam toda uma vida. Digo que “dão passagem”, pois ela não precisa se instalar, do contrário: é algo que precisa sair a todo o custo e por isso se sofre ao tentar resistir a ela. Descobri primeiro em mim quado tive 'passagem' e depois em vários pacientes que me procuraram e que reencontraram seu caminho, que muito além de um problema de ‘neurotransmissores na fenda sináptica’ a crise não precisa do pânico e só precisa que a deixemos fazer o seu trabalho. Esbarramos na falta de informação sobre nossos processos mais íntimos e belos, virando cobaias de novas drogas que não curam, sobretudo por estarmos falando de uma crise que se inicia na mente inconsciente (ela é irracional pelo menos no início) apelamos para o instinto humano de sobreviver e caímos no lugar comum de fobias, medo, pânico e prisão.
A síndrome do pânico já é a segunda causa de procura a clínicas psiquiátricas, perdendo apenas para a depressão, que na verdade é um dos pólos da mesma raiz. A pergunta é simples: você conhece alguém que foi tratado e curado com os medicamentos usuais receitados pelos médicos e que está hoje sadio, feliz e totalmente livre do pânico?
Temos uma indústria do controle que não se interessa nas possibilidades de cura que existem dentro de cada um. Temos uma imensa e inesgotável farmácia da alma dentro de nós e que está pronta para ser usada, mas não com fé cega e motivação vazia – precisamos de informação que faça sentido e que se faça ver na prática.

Todo meu trabalho tem como objetivo oferecer um ressignificar de todo o processo que chamamos de pânico, levando cada qual a um encontro maravilhoso com a estrutura perfeita que é seu corpo humano e mental. Vamos ficar frente a frente com o pânico, numa personificação urgente e necessária, e vamos com racionalidade entender quem é ele, o que ele quer e o que está por detrás de todo este alvoroço. Curar-se desta síndrome não exige milagres. Um homem muito sábio disse certa vez que os milagres não acontecem em contradição com as leis da natureza. Disse que ocorrem sim em contradição com o que achamos saber desta lei. E a própria ciência tem seu método e nos é útil em muitas coisas - chegará o dia em que ela versará sobre isto que propomos falar neste livro de forma completamente similar, mas você está pronto para esperar isso, enquanto ela te mantém na incubadora do controle ou quer se libertar agora?

Uma nova verdade científica nunca triunfa por seus opositores se convencerem dela simplesmente, dizem que estes opositores precisam morrer literalmente, para que no lugar deles novos cientistas mais sensíveis à idéia a aceitem.

A história da humanidade prova isso.


Estamos juntos.

5 comentários:

  1. Muito bom esse texto.Estou junto porque vive isso ha 18 anos atrás.Fui curado com psicoterapia e Florais de Bach.Sem drogas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Excelente alerta para que possamos conhecer e reconhecer os sintomas e procurar ajuda imediata.A indústria das farmácias enriquece com a dor dos que passam essa situação séria, mas que comprovadamente tem cura.Saber hj que nosso corpo está expulsando o que não serve é um caminho especial para entender a eficácia do tratamento.Parabéns Jordan por fomentar a discussão e nos levar ao entendimento da síndrome.Muita PAZ!bjs, Rai.

    ResponderExcluir
  3. Muito importante a ressalva feita por Jordan sobre um problema tão sério e grave.Saber que estamos expulsando de nosso corpo o que não serve é um excelente caminho para entender que esse problema tem cura.A eficácia do tratamento traspesoal tb deve ser ressaltada.Conheci e aprovo.Muita PAZ!parabéns Jordan.Bjs, Rai.

    ResponderExcluir
  4. É impresionante o número de pessoas vítimas dessa situação, nos últimos 5 meses tenho observado melhor meu ambiente de trabalho e locais onde transito com maior ferequência e é impressionante como muitas pessoas ativas, comprometidas com o trabalho, família e causas sociais apresentam o pânico e a fase aguda, a chamada síndrome.Esse alerta do artigo é um caminho para que a busca do tratamento seja imediata e acreditemos na cura, sim porque essa exite, aconselho a terapia de regressão, não dói, é eficaz e o tratamento não é convencional e ortodoxo, fazendo a diferença.Parabéns Jordan pela iniciativa de divulgar esse artigo e a coragem de relatar sua experiência.Muita PAZ!bjs, Rai.

    ResponderExcluir
  5. Medo...
    Vontade de dar um grito,
    ou calar-se para sempre
    De ficar parado, ou correr
    De não ter existido
    ou deixar de existir (morrer)
    Não há razão quando a mente não funciona
    (redundante, não?)
    Vão extinguindo-se as questões
    mesmo sem respostas
    Perde-se, neste estágio,
    a vontade de saber.
    O futuro é como o presente:
    É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
    Morreu a curiosidade
    Morreu o sabor
    Morreu o paladar
    parece que a vida está vencida
    Tenho medo de não ter mais medo.
    Queria encontrar minhas convicções...
    Deus está em um lugar firme, inabalável,
    não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
    Até porque, na verdade, confio nele
    O problema é que já não confio em mim mesmo
    Não existe equilíbrio para mentes sem governo
    A química disfarça, retarda a degradação
    mas não cura a mente completamente
    E não existem, em Deus, obrigações:
    já nos deu a vida, o que não é pouco,
    a chuva, o ar, os dias e noites
    Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
    já que seremos vencidos pelo tempo
    (este é o destino dos homens)
    e seremos ceifados num dia que não sabemos
    num instante que mira nossa vida
    e corre rápido ao nosso encontro lentamente
    (ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
    Sei lá...
    Mas não sei se quero estar aqui
    para assistir o meu fim
    Queria estar enclausurado, escondido...
    As amizades que restam vão se extinguindo
    e os que insistem na proximidade
    são os mesmos que insistirão na distância,
    o máximo de distância possível.
    A vida continua o seu ciclo
    É necessário bom senso
    não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
    Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
    Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
    Eu disse bom senso?
    Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
    nem princípios, nem razão, nem discernimento,
    nem força alguma
    Torna-se um alvo fácil
    condenável pelos que estão em são juízo
    E questionam: onde está sua fé?
    e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
    ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
    o problema é que, quando a mente está sem governo
    (falo de um homem enfermo)
    é como um caminhão que perde o freio
    descendo a serra do mar...
    perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
    e por alguns instantes (angustiantes)
    não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
    ah... quem dera, quem dera...
    que a mão de Deus me sustente neste instante...
    em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
    porque sou, neste momento
    a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
    tenho medo, medo...
    medo de perder o medo
    de sair da vida pela porta de saída...
    medo de perder o medo
    de apertar o botão "Desliga"...

    http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

    .

    ResponderExcluir